30 de abril de 2008

Sobre as razões ocultas no teu sorriso:

Toda a minha vida nesse momento se resume a ti, meu amor. É como se tudo o que eu passei até o momento em que te conheci houvesse sumido- tu és o meu passado, presente e futuro.
Se fores embora eu terei de construir uma nova vida. Eu terei de procurar os tijolos, o cimento e o rejunte. Sim, eu sei, já fiz isso antes. Mas o meu passado tu apagastes, lembra?
Terei de aprender tudo de novo. Quando fores embora, nesse exato instante, eu sairei do útero seguro em que estou- o abrigo do nosso amor. Serei novamente um bebê incosciente do mundo. E não sei como vou conseguir aprender a andar sem segurar a tua mão; a falar sem olhar nos teus olhos; a viver sem a espera pelo momento de te ver chegar.
Eu tenho medo de que tudo vire uma lembrança empoeirada guardada no fundo da última gaveta. Não quero que viremos passado. Não quero que o tiquetaquear incessante nos distâncie. Não quero esquecer do seu cheiro ou do seu toque.
Tu me ensinastes a vida. Não acredito que qualquer outra conseguirá fazê-lo de novo.

2 comentários:

freak flickr by má R. disse...

espero que não precise de tijolos de outra espécie, no futuro.
espero que no futuro, os tijolos da mesma loja ainda lhe sirvam para construir o que o passado e o presente recriaram.

(magda - má R. aqui. =*)

Três.Um disse...

"Vai sem duvidar(...) Até se for bem no final será mais lindo"

Naty, como já disse...seu estilo mudou muito ,mas ainda continua do jeito que sua essência pede: Penetrante.
Te amo, guria.