24 de novembro de 2009

The same old thing.

É o cansaço colado as pálpebras de querer não mais olhar. É abraçada a uma tristeza ímpar que passo as noites olhando o escuro. Os dias passam sem gosto e sem cor. Um atrás do outro.
Nada me satisfaz e nada me desaponta. Vivo em papel almaço depois de tanto me encolher em sujos guardanapos.
As luzes de Natal começaram a ser colocadas. Meu aniversário chegou. O verão bateu a minha porta cheio de suor e mau humor.
A tristeza transformou-se: de avassaladora à amena. Mas não deixou de existir. Constante em minha equação onde todo o resto é variável.
E eu fiquei aqui. No mesmo lugar. Aqui dentro. Com a mesma vontade de morte pelo amor excessivo pela vida.

2 comentários:

Brenon disse...

tá careente rsrs .. meus parabéns supero atrasado. te amo

Luciana Donadeli disse...

Gosto das tuas palavras.