5 de janeiro de 2009

Ela me pediu poemas:

O frio em mim;
roubas-te minha camisa vermelha,
tiras-te de mim os abraços de calor.

Quero que digas sem palavras dentro de mim:
não vai demorar.
Quero que digas entre beijos e afagos que:
não, não vai partir.

O sol enfeita de gelo o céu de verão-
diz-me agora,
agora e sempre;
que o céu é o mesmo.

A cada palavra torta,
morta
e fria.

A cada dia feio,
manhã sem sol:
dormir sozinha.

As pequenas mortes estão,
matando em mim as flores que me deu.
Os espinhos de ausência envenenam qualquer um.

Antes que eu morra;
me compre flores novas.
Renoveas a cada dia ou:
não vá, não!
Não vá.

Um comentário:

Jordano Casanova disse...

Me identifiquei muito com esse poema.Também adoro escrever poemas para as pessoas que me atiçam a imaginação...
Grande beijo..