5 de dezembro de 2008

Outra coisa.

Quando foi que todo o amor se transformou em outra coisa? Outra coisa qualquer. Suja. Feia. Ferida aberta sendo mexida e remexida.
O beijo tornou-se mordida e no meio do afago perdi parte de meu rosto. O afago tornou-se soco e fiquei dolorida e toda roxa.
O amor tornou-se outra coisa. Pior do que qualquer ferida ou roxo foi o desamor inundando o espaço que se abriu. Abismo entre nós. A mentira. A mentira!
Voltei a primeira pessoa do singular. Voltei a ser eu e nada além. Assim incompleta, cheia de dor e de saudade. Volto a ser outra coisa assim como o amor tornou-se outro- não amor, aquilo é ódio.

3 comentários:

BrinA disse...

Incompleta??
Sua outra parte está dentro de vc mesma e não em outra pessoa. Regate-a!!!
Dor e saudade fazem parte do show... deixam a vida interessantemente intensa!!
:****

Anônimo disse...

A dor vem logo depois da felicidade.
As vezes muito amor ,causa muita coisa.
As vezes é amor demais, que chega a ficar doentiu.
Mas se você passou por tudo isso e viu que não vale apena,é porque não vale.
Eu sei que te amo.

Tuany A. disse...

Nossa, muito lindo! Só que, tudo que leio escrito por vc, não sei porque, mas dói.